Análise: é a realidade, e não Lula, quem vai moderar Milei | Mundo

A ausência na posse de Javier Milei bastaria para o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) dar o recado de que foi tratado de maneira ofensiva pelo presidente eleito da Argentina durante a campanha. Ainda assim, Lula fez saber, pelo ministro da Secretaria de Comunicação Social, Paulo Pimenta, que esperava um pedido de desculpas. A exigência veio depois que Milei convidou pessoalmente o ex-presidente Jair Bolsonaro para sua posse. “Ele fez sua escolha”, resumiu um assessor presidencial.

Basta olhar para as contas da Argentina para se concluir que a birra parece desnecessária. Brasil e China, de fato, foram os países mais agredidos por Milei durante a campanha eleitoral. Mas se a Argentina perder os mercados de ambos os países, e os chineses resolverem executar a dívida argentina, assim como o fizeram com países africanos, Milei terá dificuldades de cumprir seu mandato.

“É default na certa”, diz uma autoridade econômica do governo brasileiro. A Argentina depende mais do Brasil do que o inverso. Pelo menos, enquanto Joe Biden estiver no poder.

O presidente eleito da Argentina anunciou que irá aos Estados Unidos antes da posse, mas são improváveis as chances de que consiga, de Biden, pressão semelhante àquela que, em 2018, Donald Trump fez sobre o FMI para que o governo Maurício Macri conseguisse um empréstimo de US$ 56,3 bilhões e chegasse com fôlego para derrotar o peronismo na disputa pela reeleição. Não chegou. Perdeu para Alberto Fernandez e, nesta eleição, trabalhou para que Milei o fizesse.

Não parece razoável que Milei deposite todas as suas fichas em ganhar tempo até um retorno de Donald Trump ao poder. A queda nas taxas de juros internacionais o favorece, e o anúncio das primeiras privatizações parece, claramente, ser destinado a criar uma rede de boa vontade das finanças com seu governo, mas é improvável que consiga atrair capital necessário para cumprir a promessa de dolarização da economia. Estelionato eleitoral haverá. A dúvida agora é a dimensão.

Por enquanto, a aposta anunciada em seu discurso de vitória não pareceu equivocada. O pronunciamento sugeriu um presidente mais moderado do que o candidato. A começar pela hora em que foi feito. Massa reconheceu a derrota às 20h, antes mesmo de o resultado ser anunciado. Milei só discursou como presidente eleito duas horas depois. Demonstrou certa cautela em preparar uma manifestação que não se limitasse a reproduzir a gritaria de sua campanha.

As citações também cumpriram um papel. Só mencionou duas pessoas, Karina Milei, sua irmã, que foi chefe de sua campanha, e Santiago Caputo, que chamou de arquiteto de sua vitória. O nome de Caputo, que é sócio de uma empresa de marketing político chamada Move, , ainda não havia aparecido publicamente nos discursos de Mileie a imprensa argentina, de uma maneira geral, ignorava sua preponderância na campanha.

Se resolveu mencioná-lo, não parece ser apenas em reconhecimento, mas também em função daquilo que pretende sinalizar. Caputo é um consultor que largou o curso de engenharia da computação para estudar ciência política e se aproximou de Milei durante sua campanha a deputado federal em 2021. A sinalização é dada pelos vínculos familiares de Caputo.

Ele é filho de um ex-presidente do colégio de escritores da cidade de Buenos Aires, Claudio Caputo, cujos irmãos orbitam em torno de Macri. Nicolás Caputo é um empresário que o ex-presidente argentino, Mauricio Macri, chama de “amigo de alma”, e Luis Caputo foi ministro das Finanças de seu governo.

Macri foi incapaz de reverter sua derrota para o peronismo em 2019, a despeito do empréstimo com o FMI, mas tem a confiança da elite financeira argentina da qual Milei agora precisa. Foi valorizado ainda por Milei, que mencionou sua “grandeza ímpar” ao lhe apoiar, juntamente com a candidata da coligação “Juntos pela Mudança”, Patrícia Bullrich.

Contam para isso os votos da aliança de Macri e Bullrich, que elegeu 93 deputados e 24 senadores, e o apoio dos governadores das províncias. O partido de Milei, o Liberdade Avança, não elegeu nenhum governador e é largamente minoritário no Parlamento. Tem 7 senadores, entre 72, e 35 deputados, entre 257 cadeiras

Mas não apenas. Milei vai precisar da turma de Macri para governar tanto junto ao Congresso, quanto junto à sociedade e aos países vizinhos. Fadada a eleição do atual ministro da Economia argentino, Sergio Massa, com quem o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, tem uma interlocução próxima, resta a Milei se valer de ex-colaboradores do governo Macri, como Federico Sturzenegger, para estabelecer novas pontes com as autoridades monetárias brasileiras.

Ex-presidente do Banco Central no governo Macri, Sturzenegger foi professor da Universidade da Califórnia, onde o atual presidente do BC brasileiro, Roberto Campos Neto, graduou-se. Em agosto, esteve em São Paulo para um encontro entre ex e atuais autoridades monetárias do continente. Uma interlocução via macrismo não estava nos planos do governo brasileiro, que apostou na interlocução entre Massa e Haddad. A saber agora se entrará nos planos de Milei.

Deixe um comentário

x