GetNinjas prevê retomada do crescimento, após mudanças na administração e lucro em 2023 | Empresas

A nova administração da GetNinjas está animada com o potencial que a empresa pode alcançar, cerca de quatro meses após assumir seu comando, vencendo uma contenciosa disputa por seu controle ao longo do ano passado. Feitos ajustes profundos na estrutura da empresa, o ano será de expansão dos negócios.

“Nós tínhamos uma boa ideia do que era a empresa antes de assumirmos e confirmamos que a GetNinjas é uma empresa de vida própria, com muito potencial, tendo uma capilaridade absurda a ser explorada por meio de parcerias e outras formas de se monetizar a plataforma”, afirma, ao Valor, Thiago Gramari, diretor de relações com investidores.

O executivo diz que, em um primeiro momento, já houve avanços em negociações para inserir serviços automotivos, como mecânica, ao portfólio da plataforma. “Esse é um passo interessante e também já estamos mapeando outros setores para explorar o potencial da GetNinjas.”

O objetivo, pontua Gramari, é encontrar novas avenidas de receitas para a GetNinjas, buscando uma melhoria nos indicadores operacionais após ser feita a reestruturação da companhia. “Estamos aqui para destravar valor e buscar formas de impulsionar crescimento”, diz.

Durante o quarto trimestre, a GetNinjas teve lucro de R$ 28 mil, revertendo prejuízo de R$ 670 mil do ano anterior. Com isso, a companhia terminou 2023 com lucro consolidado de R$ 3,68 milhões, primeira vez desde a abertura de capital, em 2021, que a última linha do balanço termina no azul.

Gramari destaca que o resultado foi sustentado pelo processo profundo de reestruturação que a antiga administração da GetNinjas realizou ao longo de 2023. No entanto, afirma que a qualidade dos números ainda é ruim, vindo de redução de custos e de menores despesas financeiras, e não dos negócios operacionais.

“Nos resultados de primeiro trimestre, já será possível ver os ajustes que realizamos nesses primeiros meses no comando da empresa, intensificamos a racionalização de recursos, adotando base zero para o orçamento, o que já gera ganhos operacionais”, afirma o executivo.

Nos três meses finais de 2024, as receitas da GetNinjas avançaram somente 7%, a R$ 14,4 milhões. O número de profissionais ativos na plataforma caiu 4% no ano, a 168 mil, enquanto a base total de colaboradores chegou a 5,1 milhões, alta de 15%. No entanto, o número de pedidos de clientes ficou estável no ano, em 1 milhão.

O diretor de relações com investidores da GetNinjas acredita que, além das melhorias internas que eles vêm realizando, o cenário macroeconômico mais benigno, com queda nos juros e inflação sob controle, vai aumentar a busca por serviços na plataforma. “Isso influencia diretamente no nosso resultado.”

Gramari assumiu o cargo em dezembro, juntamente com o novo diretor-presidente, Leonardo Meneses, após a Reag Investimentos, liderada por João Carlos Mansur, destituir o fundador da GetNinjas, Eduardo L’Hotellier, em disputa societária que se estendeu ao longo do ano.

A nova diretoria teve que superar uma desconfiança inicial dos funcionários após a mudança, o que Gramari vê como natural, dada as mudanças que a empresa passou ao longo do último ano. “Agora, estamos totalmente integrados e os funcionários aderiram à transparência na condução da empresa que estamos dando”, diz.

As ações da companhia sofreram uma queda substancial no volume de negociações desde a realização da oferta de aquisição da Reag, ano passado, quando atingiu o volume mínimo necessário estipulado na cláusula de “poison pill”. No entanto, a ideia é manter a GetNinjas como empresa de capital aberto.

“Não há discussão nenhuma sobre fechamento de capital”, afirma o executivo. As ações, que em 2021 foram lançadas a R$ 20, hoje valem em torno de R$ 5. A perda de 75% do seu valor foi atenuada no último ano, com uma valorização acumulada de 129,7% nos últimos 12 meses e de 3,03% no ano de 2024.

Deixe um comentário